Projeto Cão de Gado Transmontano

14976291_1283567201673640_61515032_o

Projeto Cão de Gado Transmontano

A Associação Ambiental e Cultural Celtiberus tem como missão a preservação da natureza e cultura da região, nesse sentido foi lançado o Projeto Cão de Gado Transmontano que tem como finalidade reintroduzir esta raça  junto dos rebanhos dos pastores barrosões . Com o apoio do Município de Boticas e a Associação de Criadores de Cão de gado Transmontano foram cedidos ao Boticas Parque dois exemplares de Cão de Gado Transmontano (ACCGT). A primeira ninhada destes exemplares da raça  nasceu no mês de agosto. Este projeto visa distribuir gratuitamente estes animais pelos pastores botiquenses que pretendam ficar com eles e que possam garantir os bons cuidados médicos e alimentares a estes exemplares.
De acordo com a ACCGT a origem desta raça une-se à história de todos os mastins ibéricos e a sua evolução está ligada à rota da transumância na Península. Companheiro do pastor com funções específicas de guarda contra o ataque do lobo, desde sempre prolífero na zona. Em épocas remotas, este cão fixou-se nas regiões altas de Portugal, nomeadamente em Trás-os-Montes. Nesta região montanhosa, que se caracteriza por campos íngremes de pastos e de difícil acesso rodoviário, esta raça adaptou-se às condições da região e ao tipo de gado ovino e caprino que, tradicionalmente tem pastagem nestas áreas, evoluindo, até se fixar morfologicamente, em perfeita simbiose com as condições e o tipo de trabalho que lhe foi solicitado. Cão molossoide de grande tamanho, forte e rústico que se evidencia pelo seu aspecto imponente, porte altivo e olhar sóbrio. Tem o perfil lateral quadrado, com membros altos, de ossatura forte, naturalmente direitos e bem aprumados, ventre ligeiramente arregaçado e angulações posteriores moderadas.
Existe nesta raça dimorfismo evidente, atingindo os machos altura e corpulência nitidamente superiores às fêmeas. Tem perfil convexilíneo e o corpo é mediolíneo com tendência a brevilíneo. A relação de altura ao garrote e o comprimento do corpo é praticamente igual. Não obstante a sua corpulência é um cão de temperamento dócil, mas reservado .É cauteloso sem ser agressivo, sempre calmo e com olhar sereno. É um excepcional vigia na sua função de guarda de rebanhos contra o ataque dos lobos, sempre atento nas suas funções de protecção.
Vive e convive com outros machos sem conflito, impondo a hierarquia da dominância quando habita em conjuntos onde existem fêmeas em idade de reprodução. Os pastores preferem os machos e é natural vê-los juntos em número superior às fêmeas no acompanhamento ao rebanho, que nunca é feito só por um cão.Confrontado com o contacto humano de estranhos e ultrapassada a reserva inicial, deixa-se manusear sem problemas e é muito sensível a bons tratos e atenções.

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *